Mergulho científico

© OMARE / Set 12 2018

A possibilidade de colocar o olho treinado de um cientista debaixo de água é, por vezes, o único meio que pode ser usado para fazer observações válidas e medições precisas. O recurso ao mergulho com equipamento SCUBA é, assim, uma importante ferramenta para os biólogos marinhos nas amostragens no âmbito do Observatório Marinho de Esposende.

É necessário um intenso trabalho de mar e é exigente a condição física necessária a efectuar prospecções com equipamento SCUBA, sendo muitas vezes necessário proceder a imersões prolongadas, por vezes profundas, em condições frequentemente adversas, em que a ondulação, temperatura e visibilidade podem não ser satisfatórias, como se verifica na maior parte do ano no litoral Norte de Portugal.

O tempo de trabalho do cientista-mergulhador é medido em minutos e segundos ao invés de dias e horas. A relação custo-eficácia do mergulho científico dependerá, portanto, do quão eficientemente o mergulhador possa executar a sua tarefa. Para que haja eficiência debaixo de água, são necessárias boas ferramentas, instrumentos fiáveis e um cuidadoso planeamento da imersão. É necessário o cumprimento das normas necessárias à prática de actividades subaquáticas, acrescida dos procedimentos necessários para atingir os objectivos da pesquisa. Assim, a segurança está dependente do estabelecimento de áreas de responsabilidade claramente definidas. Por estas razões, as imersões devem ser rigorosa e cuidadosamente planeadas.

Última atualização: 12 Set. 2018

O texto desta página é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0); pode estar sujeito a condições adicionais, para mais detalhes consulte os Termos e Condições.